A gente segue com medo, amigo…

Hoje, no centro de São Paulo, fazia meu caminho pela Rua do Tesouro sentido 15 de Novembro. Estava em frente aquele lindo edifício de 1901 que abriga o Centro Cultural Banco do Brasil e um cidadão em situação de rua se ajeitava em uma fresta do prédio, buscando abrigo por causa da garoa que encharcou a cidade nesta quinta feira.

Acontece que ali naquele ponto onde as duas ruas se encontram, é comum se deparar com um grupo de pregadores cristãos ultra radicais que gritam palavras proféticas enquanto estapeiam a Bíblia. Não estou exagerando.

Quem passa por aquele local está acostumado a ver os indivíduos dando uns tabefes no Livro Sagrado. De vez em quando você vê um turista desavisado se assustando com o alto barulho da pitomba que se ouve ao longe.

Já deixo claro que não sou contra a expressão religiosa, mas me incomoda um pouco a forma preconceituosa e agressiva com que eles pregam sua Interpretação Divina. Hoje atacavam o Museu Nacional e os Pais de Santo.

Eles são ferozes. Confesso que não gosto de passar ali quando estão de plantão. Sou curioso e a aparência deles chama a atenção. Eles tem barbas enormes, capazes de causar inveja na maioria dos ripsters.

Foto: Denis Rodrigues Molina

Não consigo evitar e fico olhando a maneira como se expressam com convicção e fúria. E a leitura deles, transbordando também de seus olhares, é que vamos todos queimar no inferno.

Se estão certos ou errados, não sei. Mas não pude deixar de rir do comentário do cidadão em situação de rua que mencionei lá no começo do texto.

Ao arrumar seu canto ele observava os gritos e as bofetadas dos pregadores. Quando passei ao seu lado ele se voltou na minha direção e disse, “Meu medo é ficar assim”.

Segui meu caminho rindo…..Paz, meus queridos irmãos.

 

Por: Denis Rodrigues 3 Artigos Contato