Quando os Los Hermanos surgiu na mídia com o sucesso  ‘Anna Júlia’, Rodrigo Amarante, eram apenas um coadjuvante do cenário musical brasileiro, todos os focos e atenção eram dadas para Marcelo Camelo, a partir do segundo álbum da banda, a influência de Rodrigo Amarante começa a surgir de forma mais evidente, com composições dramáticas, líricas, sabendo flertar entre o rock, MPB e as composições populares da era do rádio brasileiro dos anos de 1930 a 1950.

Rodrigo Amarante – De coadjuvante à estrela principal

Quando do “final” dos Los Hermanos em 2006, Rodrigo Amarante, já havia conquistando espaço, notoriedade entre os fãs da banda com diversas composições e um jeito único e dramático de interpretação suas músicas, seja nos álbuns ou nos shows lotados da banda, criando até grupos que preferiam ele ou Marcelo Camelo, gerando diversos e deliciosos debates de qual era o melhor, algo que sempre surtirá respostas subjetivas e afetivas, dependendo do momento, lugar e quando a pessoa ouvir determinada canção.

Desde o dissolvimento de sua banda, o Los Hermanos, Amarante mantém-se ativo no cenário musical, seja com o indie Little Joy, seja com a Orquestra Imperial (ou com retornos esporádicos dos próprios Hermanos). Apesar disso,nunca efetivamente apresentou um trabalho solo, que proporciona ao ouvinte a experiência de compreendê-lo melhor musicalmente e, porque não, filosoficamente inclusive dentro dessas bandas. O que esperar de um trabalho planejado, composto e executado sob sua direção?

Sempre flertando com a música brasileira, do chorinho, passando pelo tropicalismo, samba, bossa nova e rock, Rodrigo Amarante  entrou de cabeça no projeto, a ‘Orquestra Imperial’, juntamente com Moreno Veloso (filho de Caetano Veloso), Nina Becker e também à atriz Thalma de Freitas.

Esse projeto pode ser visto como um grande laboratório para a sua carreira solo. Afinal, aos poucos foi apresentando ao público mais consistência e identidade musical cada vez mais forte. Além da Orquestra Imperial, Rodrigo Amarante participou de outro grande projeto na sua carreira que foi o ‘Little Joy’, que resultou em um CD lançado no Brasil em 2009 e alguns shows com lotação máxima e ótimos elogios de crítica e público.